EXPANSÃO DO DISTRITO INDUSTRIAL DE LUANDA

plano diretor da zona econômica especial

LOCAL

Distrito Industrial de Luanda, Angola

ÁREA

4.000 ha

TEMPORALIDADE

2009

AGENTE FINANCIADOR

 

NATUREZA 

 

ATIVIDADES REALIZADAS 

Elaboração do Plano Diretor da Zona Econômica Especial 

EQUIPE 

Claudia Brandão de Serpa

SÍNTESE

A área é tangenciada pela Rodovia Nacional e pela Rodovia Cabolongo, sendo vizinha ao novo aeroporto. Nela se pretende instalar um conjunto de atividades econômicas, principalmente industriais, complementada com o uso comercial e de serviços.

O Plano Diretor desta ZEE estabelece condições de uso e de ocupação da área, indicando o zoneamento, o sistema viário adequado, o conjunto de normas e exigências para a instalação das atividades econômicas, bem como as ações mitigadoras dos impactos gerados pela entrada em operação das atividades. O trabalho teve com objetivo integrar, de forma orgânica, todos os elementos da região e visou resultar num pacto coletivo entre o poder público e a sociedade civil.

TEMPORALIDADE

2009

AGENTE FINANCIADOR

ATIVIDADES REALIZADAS 

Consultoria Secretaria Municipal de Urbanismo, na área de planejamento urbano e legislação urbanística, para análise da proposta de revisão da Lei de Uso e Ocupação do Solo, do município do Rio de Janeiro. 

EQUIPE 

Claudia Brandão de Serpa

Em 2009, o NAPP elaborou o Plano Diretor para a área de expansão do Distrito Industrial de Luanda, Angola, uma área de aproximadamente 40 milhões de metros quadrados, denominada como Zona Econômica Especial. A área é tangenciada pela Rodovia Nacional e pela Rodovia Cabolongo, sendo vizinha ao novo aeroporto. Nela se pretende instalar um conjunto de atividades econômicas, principalmente industriais, complementada com o uso comercial e de serviços.

O Plano Diretor desta ZEE estabelece condições de uso e de ocupação da área, indicando o zoneamento, o sistema viário adequado, o conjunto de normas e exigências para a instalação das atividades econômicas, bem como as ações mitigadoras dos impactos gerados pela entrada em operação das atividades. O trabalho teve com objetivo integrar, de forma orgânica, todos os elementos da região e visou resultar num pacto coletivo entre o poder público e a sociedade civil.